MAAT - Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia

Cliente

MAAT

Tipo

Experiência Multimédia

Desenvolvido

Holograma

+ Liquid Skin é uma instalação artística composta por duas peças narrativas sobre o desaparecimento da luz: uma de Apichatpong Weerasethakl e outra de Joaquim Sapinho. Ambos seguem o formato de projeção, de imagens filmadas por ambos os artistas. O primeiro é dedicado à memória e morte do pai de Joquim Sapinho (que ele acompanhava e filmava no hospital). O de Weerasethakul dá dois passos à frente e se aproxima da própria morte e da “morte da luz”. A combinação de suas artes produz momentos únicos que alteram a paisagem visual.

O ponto de partida do Liquid Skin é o próprio espaço da Caldeira do MAAT, marcado por uma relação excepcional entre o interior e o exterior, uma vez que o museu é indissociável da vista exterior do rio e da luz de Lisboa. O desafio de aproximar os dois autores é alcançado sob o signo da luz, porque é ele que desenha o espaço e permite a existência de imagens, incluindo coisas que não se veem. Como a água ou o fogo, a luz dilui os limites da superfície dos corpos permitindo todas as suas metamorfoses: o eterno ciclo de renovação.